Milhões de Supertelescópios foram descobertos em conchas marinhas

Milhões de Supertelescópios foram descobertos em conchas marinhas - Capa


Uma recente pesquisa publicada na revista “Science” revelou que o oceano está repleto de supertelescópios muito mais complexos do que a maioria pensava.

Estamos falando dos olhos das vieiras, um tipo de bivalve muito comum que prolifera em quase todas as partes do mundo.

Vieira 1

Já se suspeitava que as conchas desse tipo tinham uma visão bem mais complexa do que parecia, mas até pela dificuldade de se examinar órgãos tão pequenos, ninguém tinha conseguido saber com precisão como exatamente eles funcionavam.

Mas agora uma equipe de cientistas liderada por Benjamin A. Palmer do Instituto Weizmann de Ciência de Israel conseguiu finalmente desvendar os mistérios dos olhos das vieiras utilizando um novo equipamento conhecido como microscópio crioeletrônico.

Eles descobriram que, ao contrário dos olhos humanos que se parecem mais com câmeras, os olhos das vieiras operam como telescópios refratores, utilizando um complexo sistema de milhares de microespelhos quadrados dispostos lado a lado.

Vieira

Mais do que isso, os olhos dessas criaturas possuem 2 retinas: uma pode gerar imagens nítidas do que se está observando e outra dá uma ótima visão periférica.

Segundo os pesquisadores, o sistema de espelhos dos olhos das vieiras pode refletir 100% da luz azul, o que é muito útil no ambiente subaquático para distinguir predadores, por exemplo.

Vieira 2

E caso você não saiba, essa conchas podem mesmo nadar boas distâncias, seja pra escapar de predadores, ou para se posicionarem em um local mais propício para sua alimentação, conforme mostramos em uma matéria anterior. Se colocadas em um aquário marinho, por exemplo, elas podem facilmente quebrar os vidros com uma pancada durante seu nado…

Por que as vieiras têm essa visão tão sofisticada ainda é um mistério, mas os cientistas já estão empolgados com a possibilidade dessa descoberta revolucionar nossa tecnologia submarina, propiciando o desenvolvimento de novos equipamentos para explorar as profundezas dos oceanos.