Por que você tem uma “coceira” lá embaixo? Quais as causas de coceira vaginal e o que fazer

Curiosidades Saúde

Não importa onde ocorra uma coceira, pois ela sempre traz uma tonelada de momentos desagradáveis e desajeitados. Você provavelmente pode suportar, mas quando se trata de sua zona do biquíni, ninguém é tolerante e nem deveria ser!

undefined

Meninas e mulheres de todas as idades podem enfrentar sensações de queimação e desconforto na zona íntima. Além disso, elas podem se preocupar com a vermelhidão e o inchaço da mucosa. Esses sintomas podem reduzir muito a qualidade de vida, pois não só interferem no trabalho e no descanso, como também impossibilitam uma vida sexual normal.

O que pode causar coceira vaginal?

undefined

Basicamente, o prurido vaginal não é uma doença, mas apenas um sinal para onde a atenção do corpo deve ser direcionada. Que condições ou doenças causam mais frequentemente a coceira na zona íntima?

1. Vaginose bacteriana (BV)

A presença de bactérias na vagina é absolutamente normal. A flora vaginal consiste em diferentes tipos de bactérias. Mas em alguns casos, alguns deles podem causar uma infecção. Além da coceira, há outros sintomas da vaginose bacteriana:

  • inflamação;
  • sensação de queimadura;
  • corrimento vaginal espesso;
  • odor desagradável.

2. Tordo vaginal

Aproximadamente três em cada quatro mulheres encontraram esta infecção por fungos pelo menos uma vez na vida. Isso ocorre quando as leveduras Candida começam a crescer demais na vagina e vulva. Gravidez, sexo frequente, antibióticos e um sistema imunológico enfraquecido são os fatores que podem aumentar as chances de contrair a infecção por fungos. Além de coceira e irritação, o tordo vaginal é acompanhado por abundante e espessa secreção branca.

 

3. Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs)

Clamídia, herpes genital, tricomoníase, gonorreia, verrugas genitais podem causar prurido vaginal ou vulvar (comichão), irritação e outros sintomas.

4. Menopausa

undefined

O declínio na produção de estrogênio, que ocorre no final da idade reprodutiva de cada mulher, pode fazer com que as paredes vaginais fiquem finas e secas. Esta condição pode causar coceira e irritação. O ressecamento das paredes da vagina também pode ocorrer em mulheres lactantes.

 

5. Irritantes químicos

Vários produtos químicos que fazem parte de cremes, desodorantes, lubrificantes, contraceptivos, detergentes, sabonetes e até papel higiênico perfumado podem irritar as membranas mucosas da vagina e da vulva. Essa coceira geralmente desaparece depois que a mulher para de usar esses produtos.

6. Especificidades da sua dieta

undefined

À primeira vista, o desejo de uma figura melhor não tem nada a ver com as sensações desconfortáveis na área genital. Mas, na verdade, uma dieta desequilibrada, a falta de vitaminas e microelementos benéficos podem causar coceira e queimação na vagina.

 

Além disso, alimentos processados e produtos de fast food com um grande número de conservantes e intensificadores de sabor podem afetar negativamente a microflora dos órgãos genitais.

 

7. Outras causas de coceira vaginal

undefined

  • Baixos níveis de estrogênio em qualquer idade;
  • Bbjetos estranhos na vagina (por exemplo, um OB esquecido);
  • Dispositivo intrauterino;
  • Alguns medicamentos específicos (antibióticos e esteroides);
  • Roupa íntima molhada ou apertada;
  • Hipotermia;
  • Algumas doenças de pele (por exemplo, vaginite descamativa);
  • Diabetes;
  • Cistite;
  • Incontinência urinaria;
  • Doenças gastrointestinais;
  • Doenças parasitárias;
  • Vaginite;
  • Má higienização de órgãos genitais internos;
  • Câncer cervical ou vaginal.

Lembre-se que o diagnóstico correto deve ser feito exclusivamente por um médico! A única e verdadeira solução de desconforto “lá embaixo” é feita com uma visita ao especialista.

 

O dano do autotratamento

undefined

A decisão mais comum é apenas prestar mais atenção à higiene íntima em caso de coceira vaginal. Além disso, muitas mulheres usam remédios caseiros, que supostamente “ajudou sua amiga ou alguém próximo”.

Na maioria dos casos, essa automedicação leva a resultados tristes – uma doença que pode ser curada em apenas algumas consultas ao ginecologista pode se tornar crônica, o que leva ao desenvolvimento de complicações e possivelmente a doenças de outros órgãos.

Lembre-se: coceira e queimação não são doenças! Estes são apenas sintomas que indicam que existem problemas em seu corpo. Para um tratamento eficaz, é importante indicar a causa do desconforto corretamente. E isso só pode ser feito por um médico.

 

Como aliviar a coceira e ardor em casa?

undefinedKzenon / Shutterstock.com

Existem remédios caseiros para reduzir a coceira vaginal, a queimação e a irritação? Aqui estão algumas dicas simples, no entanto, elas não cancelam a necessidade de visitar seu ginecologista:

  1. Evite almofadas aromatizadas ou papel higiênico, cremes, espuma de banho e sprays femininos.
  2. Use água simples e sabão sem cheiro ao lavar sua vagina.
  3. Não lave a região íntima mais de uma vez por dia. Isso pode aumentar o ressecamento e violar o equilíbrio bacteriano.
  4. Sempre limpe da frente para trás depois de visitar o banheiro.
  5. Use calcinhas de algodão (sem tecidos sintéticos) e troque sua roupa íntima diariamente.
  6. Evite se sobrecarregar.
  7. Altere regularmente suas almofadas diárias.
  8. Use preservativos durante a relação sexual para evitar DSTs.
  9. Use um hidratante vaginal em caso de ressecamento. Aplique o lubrificante à base de água antes do sexo.
  10. Evite relações sexuais até que os sintomas desapareçam completamente.
  11. Não arranhe “lá embaixo” – isso pode causar ainda mais irritação.
  12. Mude sua toalha todos os dias ou passe ferro após a lavagem. Você também pode usar toalhas de papel.

Embora a coceira vaginal possa ser incômoda ou agoniante, na maioria dos casos você pode se livrar dela consultando um especialista a tempo. Fique saudável!

 

 

Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *